CLÁSSICOS DAS ÚLTIMAS PALAVRAS – 8

wpid-eletric-2010-10-1-02-16.jpg

“TEM CERTEZA QUE A CHAVE ESTÁ DESLIGADA?”

Quando Benjamin Franklin soltou uma pipa durante uma tempestade com uma chave amarrada à linha, eu disse pra mim mesmo “FU-DEU!˜. Larguei tudo e fui embora. Pensei em abandonar meu emprego de entidade sobrenatural para abrir um boteco, uma butique, ou um carrinho de pipoca que fosse. Trabalhar com seres energúmenos como vocês, nunca mais! Pois se quem vocês consideram um gênio era capaz de fazer uma cagada dessas, tremi só de imaginar o que aconteceria quando a eletricidade fosse acessível a todos.

Porém, Deus me procurou dias depois e renegociamos meu contrato. Ele me garantiu que a raça humana aprenderia a utilizar a energia elétrica com eficiência e que atos tresloucados como o de Franklin nunca mais aconteceriam. Acreditei nele mais uma vez. E, claro, me fodi mais uma vez. Infelizmente a raça humana nunca entenderá o perigo que é lidar com eletróns em movimento, essas pequenas partículas sub-atômicas que não vêem diferença entre um corpo humano e um cabo Reiplas. A maior prova são as derradeiras clássicas palavras “Tem certeza que a chave está desligada?” um outro clássico moderno e fatal das frases pré-pacote.

Muito se fala dos mortos nas guerras, mas eu tenho certeza que já levei mais gente trocando resistência de chuveiros do que desarmando bombas. Por isto é que desligar a chave geral de um sistema elétrico para fazer pequenos reparos deveria ser obrigatório, quase um artigo da constituição, e a pena para quem não cumprisse a lei deveria ser a cadeira elétrica. Já que quer morrer eletrocutado, pelo menos vá sentado. É mais digno.

O que é preciso que se entenda é que pouquíssimas forças naturais são tão boas em mandar vocês para o raio que o parta como a eletricidade. Rápida como um raio, fulminante como um raio, quente como um raio, eficaz como um raio, talvez seja uma das mais límpidas e ecológicas formas de morrer. A evolução tecnológica humana garantiu-lhe, inclusive, um aspecto prático: se na pré-história era preciso esperar uma tempestade elétrica para sofrer um torrefação express, hoje basta segurar um fio desencapado para partir desta para melhor num flash carbonizante. Chega a ser lindo.

Por tudo isso é que me incomodo quando vocês fecham os olhos para a possibilidade de se tornarem imensos pedaços toucinhos em menos de trinta segundos. Afinal, o que custa sair de onde está e verificar VOCÊ MESMO se a chave geral está desligada? Tem certeza que você confia na opinião do seu filho meio lerdo para ver isso? Ou na da sua mulher? A mesma que achava que quadro de disjuntores era uma peça artística na parede da casa? Tem certeza que confia no seu cunhado de bermuda e com uma latinha de cerveja na mão para verificar algo tão sério? Custa largar alicate com o cabo de borracha rasgado e ir até a caixa de luz ver se o reloginho tá girando?

Cavilosa como poucas, “Tem certeza que a chave está desligada?” traz em seu bojo uma crueldade implícita, pois quem a responde, ou seja, aquele que DESLIGOU a chave, não tem nada a perder. Quem está prestes a virar churrasco grego é quem faz a pergunta. Pensem bem nisso antes de acreditar num titubeante “sim, eu desliguei”. Porque depois que acontecer o choque, e você dançar rumba segurando dois fios, enquanto o seu cunhado de bermuda e latinha de cerveja na mão pergunta de onde está vindo o cheiro de queimado, não adianta reclamar. Já FOI!

Portanto, se quiserem continuar vivos, vale aqui mais uma vez uma das primeiras leis da sobrevivência humana: confiar na inteligência alheia não é uma atitude inteligente. Enquanto a humanidade se tiver em alta conta e se esquecer de que todos vocês são pródigos em equívocos, mancadas, erros grosseiros, burradas, pisadas na bola, desleixos, e cagadas sem fim, continuarei a tomar chá com torrados.

Acha que exagero? Então combinemos assim: continue fazendo serviços caseiros sem desligar a chave geral e confiando no seu cunhado com a latinha de cerveja na mão. Depois me escreva dizendo o que aconteceu. Melhor, nem precisa escrever. Você vai me contar PESSOALMENTE.

__________________________________________

Próximo Clássicos das Últimas Palavras: “NESTE BAR NÃO TEM HOMEM PRA ME ENFRENTAR!”

Anúncios

10 pensamentos sobre “CLÁSSICOS DAS ÚLTIMAS PALAVRAS – 8

  1. É visível que esse tal Saulo é um completo “pedro eletricista”, que certamente já deve ter virado torresminho à la Ampère.
    Primeiro: a energia que nós utilizamos em casa é do tipo alternada, logo ela não possui pólo, ou seja, não existe negativo, ou positivo, no máximo você tem fio fase e fio neutro.
    Segundo: Você só precisa de um único fio fase para virar um singelo enfeite Natalino brilhando em milhares de faíscas pela casa, pois a energia correria de você para o solo e do solo de volta para o fio passando pelo seu miocárdio.
    Mas enfim, um bom post.
    Parabéns pelo Blog.(puxandosacoprávivermais)

  2. Meu Querido companheiro de longas datas…

    Ameiii o blog e todo o seu conteúdo!

    Vale ressaltar tmb … Caso os interessados a fazer manutenção na rede elétrica que se esqueçerem de desligar a chave geral dos dijuntores… Evitarem de tocar nos dois fios ao mesmo tempo … Afinal de contas pra tomarem um baita choque é preciso o contato com os dois polos (positivo + negativo). Mas no caso da voltagem 220 … Ta no inferno… Abraça o capetaaaa!

  3. Nossa, essa você se superou, ri demais! seu blog é muito bom mesmo! parabéns!

  4. Muito bom e explicativo.
    Partir desta para melhor trocando resistência de chuveiro é coisa de pobre.
    Melhor receber um raio no meio da testa uma noite de tormenta. É maias elegante.
    Ótimo post. Parabéns.

  5. Adorei o post!
    É por essas e outras que sempre que tenho que mexer em eletrecidade ,EU MESMA confiro se a chave geral está desligada!!!
    Hahahahahaha!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s